Unidados Contabilidade

Notícias

Especialistas alertam para consequências psicológicas pós-pandemia

Pesquisadores da MAPA Avaliações explicam nova onda de doenças mentais causadas pelos efeitos do novo coronavírus

Autor: Renata RosaFonte: MAPA

Pesquisadores da MAPA Avaliações explicam nova onda de doenças mentais causadas pelos efeitos do novo coronavírus

Sem precedentes na história moderna, a crise instaurada em decorrência do novo coronavírus não deverá se restringir aos sintomas físicos. Apesar das milhares de vítimas fatais por todo o mundo, os especialistas em saúde mental já sinalizam para uma nova onda: as doenças psicológicas como ansiedade, depressão e síndrome de Burnout, que virão após a pandemia.

Pesquisadores da MAPA Avaliações, empresa que se dedica ao estudo e desenvolvimento de ferramentas e metodologias de avaliação psicológica, alertam que mesmo antes da pandemia, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já colocava o Brasil como o país com o maior número de pessoas ansiosas do mundo, sendo 18,6 milhões de brasileiros, ou seja, 9,3% da população convivem com o transtorno.

“Infelizmente, o Brasil é o líder mundial na patologia, apresentando números três vezes maiores que a média mundial. O isolamento social, medo, incerteza com o futuro, mudança no ritmo das relações sociais, familiares e de trabalho, são fatores que podem elevar os números”, explica a psicóloga Nayara Teixeira, gerente técnica na MAPA Avaliações.

A especialista, que é pós-graduada em Psicologia do Trabalho, adianta que o retorno à rotina de trabalho nas empresas, comércios e indústrias poderá gerar um outro choque de realidade.

Com mais de 10 anos de experiência em Recursos Humanos, dedicados à implantação e realização de programas de qualidade de vida para colaboradores, recrutamento e seleção, Nayara revela que esse retorno ao ambiente antigo pode disparar gatilhos para as doenças.

“Muitos sentem pânico relacionados à sensação de confinamento, gerando fobias e gatilhos em pessoas diagnosticadas e que já fazem tratamento para controle de patologias como a ansiedade. Ao retornar, eles poderão sofrer recaídas”.

Um estudo da Sociedade Chinesa de Psicologia descobriu, em fevereiro, que 42,6% dos 18.000 cidadãos chineses testados apresentavam sintomas de ansiedade relacionada ao coronavírus. E 16,6% dos 14.000 examinados mostraram sinais de depressão em diferentes níveis de gravidade.

Uma pesquisa de especialistas da Universidade de Pequim, ainda não publicada, mas citada pela prestigiada revista Caixin e revelada pelo jornal El País, constatou que de 311 profissionais de saúde que trabalhavam na linha de frente da epidemia em Wuhan, um terço sofria de algum tipo de problema psicológico.

Além de transtornos depressivos e de ansiedade, os profissionais também podem desenvolver a síndrome de Burnout, muito comum nesses casos. Causada pelo esgotamento físico e emocional, é um distúrbio psíquico de caráter depressivo definido pelo psicólogo Herbert J. Freudenberger como “um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional”.

O papel do RH após o isolamento

Além do impacto na vida das pessoas, doenças relacionadas à mente trazem preocupação e podem afetar o relacionamento com a liderança e colegas de trabalho. Os números revelam que os transtornos mentais ocasionados pela ansiedade já são a terceira razão de afastamentos do trabalho no Brasil, sendo que os gastos giram em torno de R$ 200 milhões em pagamentos de benefícios anuais, segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Após a pandemia, os gestores e toda a equipe de Recursos Humanos devem ficar atentos ao comportamento dos colabores, pois colaboradores com ansiedade e depressão, podem ter sintomas ou crises acentuadas. Quando colaborador está com problemas relacionados à saúde mental, a queda no ritmo de trabalho cai e, consequentemente, caem também os resultados, impactando diretamente no crescimento da empresa e do profissional. Isso, sem contar no quanto os relacionamentos no ambiente corporativo podem ser prejudicados”, ressalta a gerente.

Ao retornar para as empresas com ambientes fechados, como algumas indústrias e linhas de produção, alguns funcionários poderão sentir um certo desconforto, pois ainda terão o receio de locais com aglomeração devido a possibilidade de contágio do novo coronavírus.

“Os cuidados com a saúde e o bem-estar devem estar em alta, sendo um tema abordado constantemente entre conversas e reuniões entre a equipe, na comunicação institucional, nos grupos e até mesmo nas redes sociais da empresa”, finaliza Nayara Teixeira.

Para o CEO da MAPA Avaliações, Luciano de Paula, mais do que a ação emergencial na instalação do modelo home office, os recursos humanos terão papel fundamental na jornada do trabalhador quando a pandemia passar. “Muitos trabalhadores tiveram suas vidas profundamente afetadas, pois tinham com o trabalho uma relação de razão de vida. Deles, foram tirados a fonte da motivação, sustento, prazer e realização pessoal”, explica.

Segundo ele, para reduzir esses impactos, é necessário que haja um trabalho em conjunto, para mitigação dos reflexos em todos os aspectos. “Quem trabalha com saúde, trabalha feliz e, consequentemente, trabalha melhor”, conclui.

Sobre a MAPA

Desde 1984, a partir da síntese de experiências no desenvolvimento de instrumentos e experiências culturais, a MAPA iniciou seu trabalho de produção de ferramentas para avaliação de pessoas. A experiência de 35 anos, aliada à ciência, tecnologia e estudo contínuo, fez da empresa uma especialista na arte de entender pessoas, tanto no campo psicossocial, quanto no cultural e no histórico.

A MAPA Atende mais de 400 clientes em todos os estados do Brasil, tendo realizado mais de 300 mil avaliações.

Últimas Notícias

  • Empresariais
  • Técnicas
  • Estaduais
  • Artigos
  • Melhores

Agenda Tributária

Período: Setembro/2020
D S T Q Q S S
  0102030405
06070809101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Cotação Dólar