Unidados Contabilidade

Notícias

Pesquisa: 77,9% dos empresários do setor de serviços esperam próximo trimestre melhor .

Em relação ao abastecimento dos estoques, no último trimestre 42,5% dos empresários afirmaram que ficou abaixo do planejadoCredit...

Os empresários do setor de serviços foram uns dos que mais sofreram os reflexos da pandemia. Agora que o estado do Rio já está com a vacinação bem adiantada, com destaque para a cidade carioca, com mais de 75% dos cariocas completamente imunizados, a retomada econômica já se reflete nos negócios. É o que revela a pesquisa da Fecomércio RJ com comerciantes do segmento, realizada entre os dias 1º e 04/11, e que analisa a média dos meses de setembro, outubro e novembro. Os empresários de serviços revelam avanços, mas a expectativa para o futuro segue estável. Nesse setor se observa uma recuperação concentrada no momento presente, reflexo do processo mais célere da vacinação da população.

Com a liberação de boa parte das atividades, mesmo com algumas restrições, a expectativa sobre a retomada econômica se consolida e volta a animar os empresários. Em relação às expectativas dos entrevistados para os últimos meses desse ano e o primeiro do próximo, 77,9% afirmam que esperam que a situação de seus negócios melhore ou melhore muito, marcando leve queda de 1,4 ponto percentual em relação à pesquisa anterior. Neste novo levantamento, apenas 15,3% dos entrevistados afirmam que a situação deve continuar igual. Outros 6,8% creem numa piora ou piora acentuada na situação de suas empresas.

O estudo aponta, ainda, que para 29,3% dos empresários a situação de seus negócios melhorou ou melhorou muito nos últimos três meses, esse é o melhor percentual da séria histórica, desde o trimestre final de 2020. Esse resultado impulsionou o índice de negócios na situação presente, que atingiu o valor recorde de 92,3 pontos. Ainda assim, para 35,6% dos entrevistados, houve piora ou muita piora na situação atual do negócio. Outros 35% acreditam que a situação do seu empreendimento permaneceu igual.

Quando questionados sobre os principais fatores que atualmente limitam o seu negócio, 48,1% dos empresários apontam a insuficiência de demanda, e outros 42,5% indicaram as restrições financeiras. Além disso, para 11,9% a falta de espaço e/ou equipamentos é um dos principais impeditivos e, por fim, a falta de mão de obra é apontada por 9,7% dos entrevistados.

Demanda por bens e serviços

O número de empresários que afirma que diminuiu ou diminuiu muito a demanda pelos serviços e bens de suas empresas nos últimos três meses apresentou a quinta queda consecutiva nesse no período, contribuindo para que o índice de comportamento da demanda voltasse a crescer, atingindo nova marca recorde de 88,9 pontos, maior valor da série.

Sobre as expectativas para as demandas no próximo trimestre, 65% dos empresários esperam que haja algum tipo de aumento, revelando expectativas positivas. Apenas para 11,9% dos respondentes, haverá diminuição ou diminuição acentuada na busca por produtos e serviços de suas empresas. Outros 23,2% acreditam que a situação do seu empreendimento permaneceu igual.

Empregos

Em relação ao quadro de funcionários nos últimos três meses, 16,8% afirmam que diminuiu bastante e outros 19,7% dos entrevistados informaram que diminuíram de alguma forma. Além disso, apenas 6,5% disseram que houve algum tipo de aumento das contratações. As vagas que surgiram foram suficientes para levar o índice de emprego ao maior patamar da série, 76,6 pontos.

Neste mês, 57,3% afirmam que esperam manter o número de empregados pelos próximos três meses, marcando crescimento na expectativa. O percentual de empresários que devem demitir está em 16,7%. Outros 26% de entrevistados devem aumentar de alguma forma seu quadro de funcionários nos próximos meses.

Preço dos fornecedores e estoques

De acordo com os comerciantes, os preços dos fornecedores se mantiveram em patamares altos: 91,1% perceberam algum aumento nos preços – a percepção está adequada com o índice de preços para região metropolitana do Rio de Janeiro, que registra em setembro aumento de 8,74% em 12 meses. Além disso, para o Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ), essa percepção no aumento dos preços, por parte dos fornecedores, já pode indicar um reflexo de altas nos custos devido ao valor dos combustíveis e também da energia elétrica.

Em relação ao abastecimento dos estoques, no último trimestre 42,5% dos empresários afirmaram que ficou abaixo do planejado, a ponto de fazerem novos pedidos, reforçando a melhora na situação presente. Para 49,8%, a quantidade se manteve em relação ao esperado, e apenas 7,6% ficaram com estoque acima do planejado.

Inadimplência

O índice de inadimplentes ou muito inadimplentes entre as empresas é de 50,1% nesta sondagem. O número de empresários que não ficaram com restrições apresentou nova alta, atingindo 49,9%. Entre os que ficaram inadimplentes, os gastos são associados a aluguel (35%), fornecedores (33,4%), bancos comerciais (29,7%), tributos federais (28,4%), luz (26,8%), parcelamentos de tributos com pagamento interrompido (19,6%),

telefone fixo e celular (17,7%) e Previdência/INSS patronal (17,7%).

Últimas Notícias

  • Empresariais
  • Técnicas
  • Estaduais
  • Artigos
  • Melhores

Agenda Tributária

Período: Dezembro/2021
D S T Q Q S S
   01020304
05060708091011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Cotação Dólar